SP atende pedido de Cauê Macris e envia 224 respiradores à RMC

Atualizado em 21/01/2021 17h46


SP atende pedido de Cauê Macris e envia 224 respiradores à RMC

Os hospitais da região de Campinas já receberam 224 respiradores do governo do Estado para atendimento das vítimas da Covid-19. O envio, que acontece desde junho do ano passado, atende a pedido feito em abril pelo presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo, deputado Cauê Macris.

Cada respirador representa um novo leito de UTI (Unidade de Terapia Intensiva), equipamento fundamental no atendimento aos doentes em estado grave.

O número, inclusive, foi superior ao pedido feito inicialmente, de 210 equipamentos –a solicitação do deputado foi feita para que a distribuição correspondesse à população da Região Metropolitana de Campinas, que concentra 7% dos habitantes do Estado.

No ofício encaminhado ao presidente da Alesp, a Secretaria de Estado da Saúde informou que o pedido foi atendido. Cauê agradeceu o governo e ressaltou a atuação da secretaria, que tem conseguido atender com recursos ou equipamentos todas as regiões do Estado para fortalecer os municípios no combate ao coronavírus.

“Desde o início da pandemia aqui no Brasil, nenhum paciente ficou sem atendimento no Estado de São Paulo. Se não havia mais leitos em uma unidade, o paciente era imediatamente transferido para uma unidade de referência mais próxima”, disse Cauê, explicando que o sistema de saúde em São Paulo é integrado.

“Saúde é prioridade, ainda mais em um momento crítico como esse. Assim que o governo anunciou os respiradores, fiz o pedido para garantir um atendimento igualitário à região de Campinas, com o objetivo de preservar vidas. O número de respiradores enviados, inclusive, ultrapassou o que havia sido solicitado e mostra como o Estado tem se empenhado nesta luta pela vida”, afirmou o deputado.

Cauê Macris também tem acompanhado o início da vacinação nos municípios paulistas, mas reforça que o momento ainda é crítico e que a higienização das mãos e superfícies, o uso de máscara e o distanciamento social são imprescindíveis para o controle da doença. “A vacina chegou. Agora é somar forças para ampliar a vacinação e acabar de vez com essa pandemia”, disse.