Assembleia ganha mecanismos de controle e transparência

Atualizado em 11/03/2021 20h07


Assembleia ganha mecanismos de controle e transparência

A austeridade é dever de todo gestor público. A transparência é um direito do cidadão. E ambas são alcançadas com a inovação. É com essa ideia que o deputado Cauê Macris encerra seu período na Presidência da Assembleia Legislativa de São Paulo na próxima segunda-feira, dia 15, quando acontece eleição da nova Mesa Diretora.

Para ele, a transparência é um dos principais legados de sua gestão. Um dos exemplos é que, hoje, qualquer cidadão com um celular tem acesso aos salários de cada um dos funcionários da Alesp e a informações sobre os gabinetes e os projetos de deputados por meio do aplicativo Fiscaliza Cidadão, lançado por Cauê ainda em 2017.

Para inserir as informações sobre os salários dos funcionários, o presidente teve, inclusive, de vencer uma disputa judicial, porque considerava que a população tinha direito à transparência irrestrita.

Sob a gestão de Cauê, a Alesp também reformulou o Portal da Transparência para facilitar a pesquisa e simplificar o acesso às informações.

REDE ALESP

A criação da Rede Alesp, que unifica toda a estrutura de comunicação da Assembleia, também foi um marco para aproximar a população das atividades legislativas, na visão de Cauê.

“O que era antes? Única e exclusivamente TV Assembleia, gravava os programas e parava nisso”, afirmou Cauê na última sexta-feira (5), em discurso no Plenário Juscelino Kubitschek, no qual fez balanço de sua gestão. “Aí surgiu o conceito de transformar a TV Assembleia na Rede Alesp, uma TV pública que ajuda a divulgar o trabalho dos parlamentares, mas também é geradora de conteúdo para cada um dos parlamentares”, disse.

Segundo Cauê, hoje a estrutura de comunicação permite que em poucos minutos sejam disponibilizados para os deputados os discursos que cada um faz na tribuna, o que permite que repliquem o material em suas redes e garante maior alcance da informação.

Na gestão de Cauê também foi regulamentada a Lei de Acesso à Informação e o novo site de Acervo Histórico.

INVESTIMENTOS

Em seus quatro anos à frente da Alesp, Cauê promoveu uma grande mudança estrutural na Alesp, com investimentos que também aproximaram a população do poder Legislativo.

Pela primeira vez na história, o Palácio 9 de Julho conseguiu o AVCB (Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros), documento que atesta a segurança contra incêndios, depois de uma modernização nas dependências da Casa. A Assembleia é visitada, em períodos normais, por até 5 mil pessoas diariamente.

A Mesa, presidida por Cauê, também implantou um sistema de videomonitoramento em toda a Casa e reformou três plenários, deixando-os mais acessíveis e conectados - os espaços são abertos à população e também usados para atividades legislativas.

Cauê abriu a biblioteca da Alesp ao público, inaugurou um bicicletário e firmou convênio que permitiu a municipalização da creche da Alesp. Agora, a unidade de ensino, que antes atendia só filhos de servidores e estava desativada em virtude da baixa demanda, poderá receber até 120 crianças de até 4 anos, entre filhos de funcionários e de moradores da região.

Outro avanço neste sentido foi aproveitar a localização privilegiada (a Alesp é facilmente acessada por transporte público) para transformar a Casa em um espaço de concentração de serviços públicos importantes, como Poupatempo e a Defensoria Pública.

O estacionamento da Alesp também é aberto para eventos aos finais de semana.