Sob Cauê Macris, Assembleia de SP registra economia recorde

Atualizado em 09/03/2021 13h20


Sob Cauê Macris, Assembleia de SP registra economia recorde

A austeridade foi uma das principais marcas da gestão do deputado Cauê Macris como presidente da Assembleia Legislativa de São Paulo. Nos últimos três anos, a Casa devolveu R$ 460 milhões aos cofres públicos, maior valor já registrado na história.

Só em 2020, o Legislativo economizou R$ 202 milhões. Em 2019, foram R$ 146 milhões, enquanto que, em 2018, foram R$ 106 milhões. Em 2017, foram mais R$ 5,7 milhões.

Todo esse dinheiro pôde ser investido pelo Estado em setores essenciais, como saúde, educação e segurança pública. No último ano, toda a devolução foi usada no enfrentamento da pandemia causada pelo coronavírus.

“A austeridade é dever de todo gestor público. A transparência é um direito do cidadão. E ambas são alcançadas com a inovação”, disse Cauê Macris, que deixa o comando do Legislativo na próxima segunda-feira (15), após quatro anos à frente do Parlamento paulista.

MEDIDAS

Uma das medidas que possibilitaram a redução de gastos foi a extinção de cargos e regularização na concessão de benefícios. O gasto com folha de pagamento, que representava 91,7% em 2017, caiu pra 80,7% em 2020. mesmo com essa economia, os servidores receberam aumentos salariais que garantiram a reposição inflacionária do período.

Com a adoção das medidas de controle de gastos, em 2020 a despesa total da Alesp foi a menor desde 2011 - com uma redução de R$ 117 milhões em relação a 2017, ano em que Cauê assumiu a presidência.

No ano passado, a Casa usou 88% de seu orçamento, menor percentual desde 2009.

“Acho extremamente importante que a gente continue nesse caminho. É a bandeira de como fazer mais com menos”, afirmou Cauê, em discurso na sessão da última sexta-feira (5).

PANDEMIA

Em 2020, em razão da Covid-19, a Alesp também adotou medidas extraordinárias de economia, por iniciativa Da Mesa Diretora: cortou em 30% os salários dos deputados e em 40% as verbas de gabinete para direcionar o dinheiro para o combate à doença. O pagamento de licença prêmio em foi suspenso. Cauê também reviu contratos para economizar recursos e doou 80% do Fundo Especial de Despesas da Alesp ao Estado para o combate à Covid-19.